Siga o copo

PUBLICIDADE
Topo

Histórico

"Queijos e vinhos" cansou? Coloque a cerveja nessa conversa

Juliana Simon

05/07/2020 04h00

(Crédito: Getty Images)

Se no frio a gente já precisa daquele cobertorzinho gastronômico para não sofrer com as baixas temperaturas, imaginem em tempos de quarentena? Nessa fase da pandemia, em que só um estômago cheio nos consola, nada mais tentador que aquela combinação certeira do friorento prático: queijo e…

… não, larga esse vinho. Senhor, senhor… você já ouviu a palavra da hamonização de queijos e CERVEJAS?

Veja também

Acredite, dá para ser feliz de outras formas e dar outroS saboreS ("s" maiúsculo proposital, aviso) à esse inédito #fiqueemcasa com produtos ao alcance de um delivery ou de um pulinho (rápido, focado, com máscara e banhos de álcool gel) ao mercado.

Como começar

A regra de ouro é ir, primeiro, pelas intensidades. Via de regra: queijo suave vai com cerveja suave, queijo pesadão e complexo, orna com bebidas complexas.

Vai fazer uma harmonização com tudo o que encontrou pela frente? Comece com alimentos e bebidas mais leves até chegar aos mais intensos.

Seguindo essa básica dica para biritar e comer em uma ordem que seja factível, gostosa e que não deixe ninguém bêbado a ponto de não sentir sabor algum, o resto é deliciosamente dependente do seu paladar, leitor.

…e antes que você se babe: primeiro um pedaço de queijo e depois um gole na cerveja (parece bobo, mas na hora ninguém pensa nisso).

(Crédito: Getty Images)

IIIIIIIT'SSSSSSS TIIIIIIME! (É AGORA)

Para fazer uma brincadeira completa, tenha na sua tábua:

  • Queijo fresco e suave, como uma mussarela de búfala ou burrata…

que combina com cervejas igualmente leves, como Witbier, uma Pilsen (que não é American Lager, nem a tal "puro malte").

  • Queijo de mofo branco, como brie ou camembert…

suaves, mas com aquela textura mais amanteigada que pode oferecer dois caminhos geniais de harmonização, sempre com cervejas claras e equilibradas: uma bela Saison (levemente ácida, amargor sutil e tempero de especiarias) ou dar mais um passo no álcool (que ajuda a dar aquela limpada no paladar) e "temperar" o queijo com uma complexa e intensa Tripel!

 

  • Queijo de cabra fresco…

que gera aquele casamento da acidez perfeita com boas Sours (não suco de sour, por favor), como uma refrescante Berliner Weisse.

  • Queijo semi-duro, como gouda, gruyère…

que casa com um amargor, malte e álcool mais elevados (pero no mucho, para não "matar" o queijo). English Special Bitter e Amber Ale e Brown Ale são algumas das combinações possíveis.

  • Queijos mais maturados, como um bom parmesão…

que quer uma cerveja um tanto mais maltada, com uma cor mais caramelo (cujo dulçor equilibra o salgado do queijo) e já pode colocar mais álcool e amargor para a mesa! Fã de uma IPA ou até Imperial IPA? Chegou seu momento.

  • Um potente queijo azul, como gorgonzola ou roquefort…

que vai fechar esse desfile com chave de ouro e aquecimento de alma e coração lá em cima. Esta é a hora para Russian Imperial Stout, Barley Wine e o que de mais alcoólico tiver em sua adega. São estilos que contam com potência suficiente para equilibrar o sabor intenso do queijo e a gradação alcoólica, mais uma vez, ajuda a limpar o pálato.

Viu? Não precisa nem pagar de manjão cervejeiro e passa muito bem! (Para beer e cheese hunters, indico o 'módulo mil' com o Garrett Oliver e seu "A Mesa do Mestre-Cervejeiro", "Beer Pairing" da Julia Herz e Gwen Conley)

Abraçou a ideia? Botou em prática? Deu certo? Está quentinho? Conta aqui!

Uma historinha (porque não resisto)

Eu comecei a comer queijo "de verdade" depois da minha primeira aula de harmonização ainda no curso de sommelière. Antes disso, descia, no máximo, queijo prato e catupiry.

Experimentar sabores diferentes abre a cabeça para muito mais que um novo estilo de cerveja ou aquele queijo que você não conseguia nem chegar perto. Amplia a biblioteca de sensações.

E talvez seja o que mais faz falta nesse isolamento social: toque, cheiro, sabor, som e cenas. Cuidem-se, leitores, para gente ter isso de novo logo (:

COMO ESTAMOS BLOGUEIRANDO? Críticas, elogios, sugestões, desabafos? Aceitamos em Instagram e até no Untappd.

Sobre a autora

Juliana Simon é jornalista do UOL, sommelière de cervejas, mestre em estilos e especialista em harmonização pelo Instituto da Cerveja Brasil.

Sobre o blog

O Siga o Copo é espaço para dicas, novidades e reportagens para quem já adora ou quer saber mais sobre o universo cervejeiro e de mais bebidas.