menu
Topo
Siga o Copo

Siga o Copo

Lúpulo também tem vez entre quem não quer ou não pode beber cerveja

Juliana Simon

22/10/2018 09h34

Quem não aprecia cerveja, não pode consumi-la ou simplesmente não está afim de beber álcool, mas ainda assim está doido para saber qual é a do lúpulo, ele também faz parte de outras opções para matar a sede.

Até o mais puro dos líquidos pode ganhar um toque de amargor: sim, nós temos água lupulada. Ideia da Cervejaria Araucária, de Maringá, a H2OP (brincadeira com a fórmula química da água H2O + o nome inglês do lúpulo "hop") já está entre nós.

A bebida, que surgiu como um experimento do cervejeiro Rodrigo Frigo, acabou virando coisa séria, gaseificada, enlatada e saudável – para quem não sabe, o lúpulo, ALÉM DE SER TOTALMENTE MARAVILHOSO, GOSTOSO E CHEIROSO, é rico em substâncias calmantes e antioxidantes.

Sem calorias, álcool, açúcar, alergênicos, lactose ou glúten, a bebida mostra que amargor e frescor do "temperinho da cerveja" pode ser muito mais explorado.

É saúde, é chá, é lúpulo

Para quem procura outras opções saudáveis e de sabores complexos, as maravilhas do lúpulo também chegam em forma de kombucha – bebida fermentada e probiótica à base de chá.

Júlia Reis, sócia e professora da Sinnatrah Cervejaria Escola, explica para mais para nós:

"O lúpulo, assim como frutas e especiarias, tem a função de dar aroma e sabor à kombucha. Ele é inserido num processo semelhante ao do dry hopping feito na cerveja, porém com o líquido a temperatura baixa, de 0°C a 4°C", diz.

Júlia geralmente usa variedades americanas do lúpulo, mais cítricas ou frutadas, como Ella, Amarillo e Citra. "Uso de 1g a 5g/litro e deixo apenas um dia infusionado na bebida. Ela fica levemente esverdeada – por isso costumo usar como base um chá verde, para manter uma linha de cores", conta.

Olho no álcool – e no produtor

Bebida da moda, a kombucha precisa ser bem feita para que não ultrapasse os 0,5% ABV – teor para que seja uma bebida não-alcoólica. Professora de um curso de produção da bebida, Júlia alerta: "Existem muitas marcas que estão adicionando muito açúcar e, como há uma fermentação alcoólica que ocorre na garrafa, se não é feito um controle mais rigoroso, a bebida ultrapassa esse nível", diz.

Tanto a água lupulada, como a kombucha, assim como chás de lúpulo são uma boa chance de não-cervejeiros entrarem em contato com o lúpulo, mas também aguçam os sentidos de "hopheads" e, se bem feita e equilibrada, acaba ficando com uma carinha de Session IPA.

Já está completamente apaixonado pela florzinha, leitor?

Quer fazer em casa?

Curso de Produção de Kombucha, da Sinnatrah Cervejaria Escola

O curso aborda o preparo, fermentação, equipamentos, controles de acidez e açúcar, sanitização, técnicas e cuidados com a carbonatação e a mistura com frutas para saborização. Preço: R$ 180. Agenda de próximas turmas no site

Onde encontrar as bebidas lupuladas?

H₂OP, da Cervejaria Araucária

Água Lupulada em lata de 350 ml. Preço sugerido: R$ 7. Onde encontrar: pontos cervejeiros de Maringá, Curitiba e São Paulo

Hoppiness, da STRAPPA Live Kombucha

 

Kombucha cervejeira com lúpulos utilizados em cervejas como IPAs e APAs. Sem álcool. Preço sugerido: R$ 16 (garrafa e copo de 300 ml) e R$ 10 (chope). Onde encontrar: pontos de venda no site

COMO ESTAMOS BLOGUEIRANDO? Críticas, elogios, sugestões, desabafos? Aceitamos em InstagramFacebook e até no Untappd.

Sobre a autora

Juliana Simon é jornalista da Universa, sommelière de cervejas, mestre em estilos e especialista em harmonização pelo Instituto da Cerveja Brasil.

Sobre o blog

Representando quase metade do mercado consumidor da cerveja, as mulheres estão conquistando espaços inéditos neste mundo. Seja como mestres cervejeiras, sommelières, “confrades” ou apaixonadas pela bebida mais popular do Brasil e do mundo. É o espaço para dicas, novidades, provocações e reportagens descontraídas para quem já adora ou quer saber mais sobre este universo.