Siga o Copo

Topo
Siga o Copo

Siga o Copo

Cervejas com rótulos machistas são vetadas em festival. E nós com isso?

Juliana Simon

22/08/2019 09h21

Não é sem propriedade que vos digo: ser uma mulher no mundo da cerveja é um 7 x 1 frequente. Arrasamos na sommelieria, brilhamos em micro e macro fábricas e colocamos as panelas para ferver, ocupamos a frente e os bastidores de mesas e balcões, mas sempre tem um machismo cervejeiro que nunca vai embora.

Um iniciativa que rolou no comecinho de agosto lá na Inglaterra é de brilhar os olhos – e estapear a cara de muito cervejeiro brasileiro.

Veja também

O Great British Beer Festival, promovido pela celebrada Campaign for Real Ale (CAMRA), proibiu cerveja com rótulo sexista. Entre mais de mil cervejas e cidras, foram vetados os de nomes como o Dizzy Blonde ("Loira Tonta") e o Leg Spreader ("Abridor de Pernas"), além de logos que contêm pin-ups e outras imagens sexualizadas de mulheres (parece familiar?).

É economia…

Não basta bradar aos quatro ventos que sua cerveja é "amiga das minas", queridos e queridas. Estar atento à inclusão feminina e ao respeito pelas mulheres é uma questão que permeia ética, sim, mas também mercado.

Lá em 2017, fiz uma matéria que mostrava a virada publicitária das grandes cervejarias brasileiras. No entanto, muito cervejeiro entre outras grandes e, tristemente e principalmente, em marcas que estão pipocando a cada dia no mercado artesanal, a ideia de que mulher é o consumidor a ser conquistado após anos de "loiras geladas" ainda não colou.

Só para ficar no tema rótulo, aqui é "cerveja de mulher" daqui, um nomezinho vagabundo com "gostosa" de lá e um tanto de artes que colocam corpo feminino como chamariz.

Lá no festival da CAMRA, a decisão não foi à toa: pesquisa já revelou que 68% das mulheres não comprariam uma cerveja com qualquer indício de sexismo em sua marca. Na Inglaterra, elas representam 50% do mercado.

Só fazer as contas: ser machista além de ser uma idiotice, pesa no bolso.

A importância da atitude

Para quem não conhece, a CAMRA é a instituição responsável pela retomada de estilos artesanais e da cultura do pub nos anos 70, que influenciou toda uma geração na Inglaterra, Europa e do lado de cá do Atlântico, nos EUA.

Basicamente um dos pilares da história cervejeira moderna. E que hoje tem Abigail Newton como vice-presidente.

Esse blog está mandando uma indireta às cervejarias, festivais e demais instituições da bebida no Brasil? Não, é uma diretíssima mesmo.

COMO ESTAMOS BLOGUEIRANDO? Críticas, elogios, sugestões, desabafos? Aceitamos em InstagramFacebook e até no Untappd.

Sobre a autora

Juliana Simon é jornalista do UOL, sommelière de cervejas, mestre em estilos e especialista em harmonização pelo Instituto da Cerveja Brasil.

Sobre o blog

O Siga o Copo é espaço para dicas, novidades e reportagens para quem já adora ou quer saber mais sobre o universo cervejeiro e de mais bebidas.