Siga o copo


menu
Topo
Siga o Copo

Siga o Copo

“Só bebo ‘puro malte’”... isso quer dizer que você está bebendo bem?

Juliana Simon

2018-12-20T17:09:27

18/12/2017 09h27

Nas prateleiras do mercado, nas campanhas da TV, nas mesas de bar… não é difícil encontrar nos rótulos e nas bocas dos consumidores duas palavrinhas: "PURO MALTE".

Como tantos mitos que rolam por aí, é bem comum achar que levar isso na estampa é sinal de cerveja MELHOR DA VIDA, mas a realidade é bem menos emocionante.

Ser "puro malte" nada mais é que levar em sua fórmula 100% de cevada maltada como fonte de açúcares, segundo a legislação brasileira. Ou seja, nada de adjuntos. Optar por uma Lager Puro Malte – ou as Premium American Lager – quer dizer isso: uma cerveja de corpo ainda leve, de amargor ainda baixo, de sabor ainda suave, em comparação à verdadeira Pilsen.

Só tomo "puro malte". Sou o bambambã da mesa de bar?

Não, cervejeiro. Não se deixe levar pela voz macia do galã, dizendo que a "puro malte" é o máximo da delícia cervejeira. Se ser puro malte chuta os polêmicos milho e o arroz das American Lager, tema já profundamente abordado neste blog, também deixa de lado uma infinidade de ingredientes usados e abusados na produção artesanal.

"Impuras" fundamentais

Até os alemães, donos da Lei da Pureza – a que, inicialmente, defendia o uso de água, levedura, lúpulo e malte de cevada e nada mais – e conhecidos pela qualidade excepcional de suas criações, deram suas deliciosas "fugidinhas" com as tradicionalíssimas cervejas de trigo, as salgadinhas Gose e as ácidas Berliner Weisses.

Ficar só nas "puras" deixa de lado também as que levam centeio ou aveia, as doces e alcoólicas belgas, que levam frutas, candy sugar (sim, açúcar) em sua formulação, as selvagens lambics com cerejas e framboesas, as witbiers com sementes de coentro e cascas de laranja, fora as aventuras tupiniquins com rapadura, jabuticaba, coco, pitanga…

Você está mesmo disposto a ignorar um universo em nome da "pureza das galáxias"?

 

Quer acompanhar tudo sobre este blog e o mundo das cervejas? Segue a gente no Instagram (@sigaocopo), Facebook e Untappd

Sobre a autora

Juliana Simon é jornalista da Universa, sommelière de cervejas, mestre em estilos e especialista em harmonização pelo Instituto da Cerveja Brasil.

Sobre o blog

Representando quase metade do mercado consumidor da cerveja, as mulheres estão conquistando espaços inéditos neste mundo. Seja como mestres cervejeiras, sommelières, “confrades” ou apaixonadas pela bebida mais popular do Brasil e do mundo. É o espaço para dicas, novidades, provocações e reportagens descontraídas para quem já adora ou quer saber mais sobre este universo.