Siga o Copo

Topo
Siga o Copo

Siga o Copo

Lager no frio? Estilos menos populares podem aquecer seu inverno

Juliana Simon

23/07/2019 08h27

Ao falar de lager, sempre surge a dúvida: ela é sinônimo de cerveja levinha e ideal para o calor? E mais uma vez o mercado cervejeiro responde a essa pergunta com um delicioso e aquecedor… NÃO!

Que nos perdoem os hits cervejeiros de ales (cervejas de alta fermentação) como Russian Imperial Stout, Barley Wine, Wee Heavy e as potências belgas, como Quadrupel, mas na família das lagers (de baixa fermentação) também há potentes estilos e variações que muita gente pode nem conhecer.

Veja também

O que é o que entre as lager escuras?

Baltic Porter: da escola inglesa, cor de café coado a quase preto com suaves notas de caramelo e chocolate. Nada de tostadão e amargor lá em cima. O teor alcoólico, no entanto, é suficiente para dar aquele calorzinho bom – entre 7,6% e 9,3%.

Bock: para os bebedores brasileiros, impossível não lembrar da Kaiser Bock, nossa primeira cerveja "de inverno".  A história desse estilo, no entanto, começou lá entre os séculos 14 e 17 na cidade alemã de Einbeck. Marrom, com ABV entre 6, 3% e 7,2%, muito dulçor de malte com que lembra amêndoas e castanhas e baixo amargor.

Doppelbock: acobreada a marrom, é mais "caramelada" e encorpada que a Bock. Detalhe curioso: nos rótulos mais tradicionais, como uma Paulaner Salvator, há sempre um bode no rótulo (que em alemão é "bock").

Schwarzbier: "cerveja preta" em alemão, tradicionalmente pouco potente (no máximo 4,9% ABV), com notas bem tostadas e amargor médio.

Dunkel: também alemã (tradicional de Munique) mais clara que a "prima" citada acima, notas suaves de tosta e amargor e álcool baixos.

Já nos apaixonamos pelas com exemplares nacionais (e fresquinhos) de Baltic Porter da Avós (como a com um pé no Negroni) e da 2 Cabeças; Bock, como as da Baden Baden, Tupiniquim, Bierbaum; Doppelbock, como as da Zalaz e Cervejaria Nacional, e Schwarzbier que aparece chamada de Dunkel pela Eisenbahn e pela Hausen, de Araras.

Estes dois últimos estilos, em tese, não trazem álcool suficiente para aquecer seu inverno – e podem até refrescar seu verão -, mas cervejeiro sempre dá um jeito de surpreender nossos paladares.

"Cerveja preta" – com um toque especial

A Hausen Bier resolveu mostrar que as lager potentes merecem seu lugar ao sol. A terceira edição da edição de aniversário da cervejaria, a "Imperial Schwarzbier" H5, bem mais "aquecedora" que a tradicional.

Maturada em três tipos diferentes de madeiras com whisky (carvalho americano, francês e do Leste Europeu) e presença de lúpulo experimental EXP 472, a cerveja com 30 IBU e ABV 8,2 % é a evolução da premiada Dunkel da casa com mais corpo, teor alcoólico e complexidade – madeira e coco <3

A H5, que chega em garrafas 300 ml, com preço sugerido de R$ 24,90

Leandro Pissinatti, sócio da cervejaria, conta que a intenção é marcar o inverno mesmo – ou seja, edições limitadas – e deixar saudade para esperar novidades a cada ano. E avisa: tem muita lager esperando para ser redescoberta e explorada por aí.

(Olar, cervejarias: alguém faz uma bela Eisbock peloamordosanjinhos!)

Em 2020, qual será a cerveja do frio e da vez?

COMO ESTAMOS BLOGUEIRANDO? Críticas, elogios, sugestões, desabafos? Aceitamos em InstagramFacebook e até no Untappd.

Sobre a autora

Juliana Simon é jornalista do UOL, sommelière de cervejas, mestre em estilos e especialista em harmonização pelo Instituto da Cerveja Brasil.

Sobre o blog

O Siga o Copo é espaço para dicas, novidades e reportagens para quem já adora ou quer saber mais sobre o universo cervejeiro e de mais bebidas.