Siga o copo

PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Cerveja artesanal brasileira perde seu primeiro bar na pandemia

Juliana Simon

24/05/2020 04h00

Não tem sido tarefa fácil se manter otimista em tempos de coronavírus. E para quem acha que "cerveja cura tudo", uma má notícia pegou os bebedores desprevinidos: acabou o Cateto.

Da portinha na Moóca (que se fechou em 2019) ao lindo sobrado de Pinheiros, não tem cervejeiro em São Paulo que não tenha se apaixonado pela combinação de belas bebidas e comida espetacular.

Veja também

E foi com um susto num post no último dia 13 que a casa anunciava o fim das atividades:

Ver essa foto no Instagram

 

O copo cheio ou o vazio? A porta que se fecha ou o caminho que se abre? . Hoje tomamos uma das de decisões mais difíceis de nossas vidas e comunicamos o encerramento das atividades do Cateto como conhecemos desde que uma portinha se abriu lá na Mooca. Diante de uma pandemia mundial que ninguém estaria pronto para prever ou se preparar nós como tantos outros pequenos negócios não resistimos. . O Cateto nasceu de um sonho, pouca planilha, nenhum dinheiro e muito suor. Fomos o cantinho preferido de muitos, o melhor sanduíche de alguns, palco pra muita música, fizemos festas inesquesíveis, reunimos pessoas, promovemos amores eternos e pequenas paqueras, recebemos amigos em grandes mesas, filhos que traziam seus pais, pais que carregavam bebês no colo. Tomamos porres, fumamos charutos, demos boas risadas, servimos mesa a mesa produtos de gente de todos os cantos e com orgulho contávamos seus nomes e suas histórias. Fomos fiéis ao que acreditávamos, nos mantemos longe da grande indústria, e levantamos sempre a bandeira do pequeno. . Perdemos grana, quase todos dias. Trabalhamos de sol a sol lado a lado com cada um do nosso staff. Se erramos aqui e ali não temos dúvida. Sofremos e pagamos altos preços, mas fomos verdadeiros e dedicados. Ainda assim foi aqui ganhamos muitos momentos que estarão pra sempre guardados em nós. Temos muita gratidão que não cabe no peito por todos que fizeram parte. Colaboradores, Fornecedores, Parceiros, Clientes e Amigos. . Então o Cateto não acaba de vez! Pensamos muito e acreditamos que descobrimos uma forma de manter vivo o beber e comer artesanal. Cheios de esperança vamos subir as montanhas da Mantiqueira e estaremos mais perto do campo pra trazer até vocês produtos, pessoas e lugares através da gastronomia. . Nasce um clube de assinaturas que levará até as portas de vocês um pouco da experiência que viviam aqui. Para manter o Cateto vivo e perto de você acessem o link na BIO. . Para os tantos outros pequenos negócio e pessoas que estão passando por este momento assim como nós. Desejamos sorte e que descubram formas de seguir, olhar pra frente e ver o lado bom.

Uma publicação compartilhada por Cateto | Crafters (@catetocrafters) em

 

O meu Cateto

Pessoas e lugares ganham eternidade em seu legado, e o Cateto não era apenas "mais um" para muita gente.

Eu conheci o 272 da Francisco Leitão em uma confraria comandada por Bob Fonseca, cujo estilo em questão já não me recordo, mas a primeira impressão era aquele espaço lindíssimo.

Sempre foi um prazer "girar o copinho" sob aquela charmosa iluminação (que nunca favorecia as fotos que a gente adora estampar nas redes sociais), subir a escada de madeira e se deparar com aquele bar e as caixas de charuto.

Também foi no Cateto que tive uma das melhores degustações da vida, março de 2018. Cervejas muy selvagens de Brouweij De Leite e Brasserie Minne com pão, embutidos e queijos (aquela seleção de chorar que a casa sempre teve). O coração remendado saía quentinho.

Como nem só de cerveja vive a mulher, também foi o Cateto que me apresentou o queijo Granito, da Pé do Morro,  da Serra do Japi — busquem conhecimento. Mesmo.

E foi em 2019 a minha última ida e era no pós-pandemia que iria lá de novo. Valorizar o bar que a gente gostava tanto e nem sabia o quanto.

 

A boa notícia para nós, os órfãos quarentenados desse belo bar, é que pelo menos parte do Cateto ainda está por aí e chega em forma de clube de assinatura com aquela pegada que o bar já oferecia: charcutaria, queijos, cervejas, cafés, cachaças e mais direto da mão do produtor. A curadoria a gente já conhece.

Mas que saudade que vai dar do 272…

Prepare seu coração e seus copos

O mais triste de tudo é que a notícia sobre o fim do Cateto abre a cortina para uma realidade inegável: ainda teremos outras sofridas baixas na pandemia. E assim como boa parte do planeta, ninguém sabe como e quando "vai passar".

A cada conversa com donos de cervejarias, de bares, a certeza é que vai demorar, vai doer e haja cerveja para anestesiar os nossos tempos.

Resistirá quem tiver uma boa ideia e, sim, muita sorte.

COMO ESTAMOS BLOGUEIRANDO? Críticas, elogios, sugestões, desabafos? Aceitamos em Instagram e até no Untappd.

Sobre a autora

Juliana Simon é jornalista do UOL, sommelière de cervejas, mestre em estilos e especialista em harmonização pelo Instituto da Cerveja Brasil.

Sobre o blog

O Siga o Copo é espaço para dicas, novidades e reportagens para quem já adora ou quer saber mais sobre o universo cervejeiro e de mais bebidas.