Siga o copo

PUBLICIDADE
Topo

Siga o Copo

Cerveja com milho não é mito, nem pecado e merece um post de sua atenção

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juliana Simon

18/10/2017 09h15

Tem quem adore, tem quem deteste, mas ninguém passa pelo universo cervejeiro sem conhecer a entidade "cerveja de milho". Antes de apontar para aquele seu amigo que abraça o engradado das cervejas mais populares, saiba que a história vai muito além dos julgamentos sensoriais dos que atacam de sommeliers – ou dos que realmente o são.

Recentemente, a marca Skol chamou Palmirinha para contar a diferença entre cerveja com milho e "suco de milho" – como a bebida tem sido frequentemente apelidada e que ganhou até um post do Site dos Menes. Além disso, recentemente, mestre-cervejeiros da Brahma foram convocados a responder perguntas dos internautas pelo Facebook da marca e o milho, óbvio, foi um dos personagens principais da iniciativa.

Para esclarecer de vez qual é o papel do cereal nas cervejas Standard American Lager – o nome verdadeiro do estilo, segundo análises de entidades internacionais – o Siga o Copo procurou quem entende do assunto: Luciano Horn, mestre cervejeiro da Ambev há 14 anos.

Para começo de conversa, milho não é o único ingrediente que a maioria dos bebedores pode estranhar, já que sempre ouvimos falar em cevada.

"Chineses e japoneses a fabricam com arroz. Africanos, com o sorgo. Na Inglaterra, a aveia é bastante utilizada, enquanto o trigo compõe muitas cervejas alemãs, belgas e francesas. Os finlandeses usam centeio. Nas Américas, o milho entra na receita para acrescentar leveza e refrescância. Juntos, eles fazem parte de cerca de 70% das receitas de cerveja existentes no mundo", conta Horn, que conta que marcas históricas como Bohemia, Brahma, Antarctica e Skol, levam e sempre levaram milho em sua composição, desde o século 19, muito antes da fundação da cervejaria Ambev.

Além das centenárias marcas, uma das cervejarias artesanais que fazem parte de Ambev – a mineira Wäls – deu aquela cutucada marota no mundo artesanal ao produzir uma India Pale Ale com high maltose (xarope de milho) batizada de Hopcorn IPA e medalhista na Copa do Mundo das cervejas deste ano.

O milho, além da leveza e refrescância, ainda é utilizado para manter estas receitas originais e o resultado de seu uso faz, inegavelmente, parte das cervejas mais vendidas do mundo.

"Engana-se quem pensa que o uso de milho é uma novidade criada pela indústria cervejeira para baratear e facilitar a produção. Somos apaixonados por cerveja e cuidamos da produção dos nossos rótulos desde o campo até o copo. Entendemos que fazer cerveja é uma grande responsabilidade e, para nós, cerveja boa é a cerveja bem feita, do campo ao copo. Esse é o segredo".

Com a palavra, o consumidor

A explicação do Horn ainda não foi suficiente para deixar aquele seu amigo que ama uma cerveja popular em paz? Talvez uma outra máxima ajude os caros (e teimosos) amigos cervejeiros: cada um com seus problemas (e seus gostos, claro).

Emannuele Dias, publicitária de São Paulo que já provou algumas artesanais crava: Eu só tomo as convencionais. Não tomo artesanal. Não gosto!". O motivo? GOSTO! "Já experimentei cerveja artesanal, mas achei muito perfumada e forte demais". Ela conta que é mesmo fã de Original, Stella Artoirs, Heineken, Skol, Brahma.

Existem também quem se incomode com a presença do milho, mas que não tenha encontrado nada tão maravilhoso no universo das "crafts". Fã de Original e da Budweiser, Silvio Senna conta que não gosta de cervejas fortes e amargas. "O lance é: pra quê vou pagar uma puta grana em um pint de Guinness se não curto?", diz.

Cervejeiros anônimos que preferem não ser identificados contam que só tomam Standard American Lager para não serem rotulados como "o chato do churrasco". Mas vale ser o pentelho e colocar água no chope dos outros em todas as outras ocasiões?

P.S: Antes que os nobres amigos anti-milho fiquem ofendidos, este blog também terá um espaço para quem abomina o ingrediente. Fiquem ligados.

Quer acompanhar tudo sobre este blog e o mundo das cervejas? Segue a gente no Instagram (@sigaocopo), Facebook e Untappd

Sobre a autora

Juliana Simon é jornalista do UOL, sommelière de cervejas, mestre em estilos e especialista em harmonização pelo Instituto da Cerveja Brasil.

Sobre o blog

O Siga o Copo é espaço para dicas, novidades e reportagens para quem já adora ou quer saber mais sobre o universo cervejeiro e de mais bebidas.